MS está em estabilidade, mas em patamar alto de casos e mortes por Covid, diz secretário de Saúde

Foram confirmadas nesta quarta-feira (13), mais 22 mortes e 1.095 casos novos.

0
69
Secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende — Foto: Reprodução/Redes Sociais

O secretário estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, avaliou que o estado está em estabilidade, mas em um patamar alto de casos e mortes por Covid-19.

Ele apontou que os dados desta quarta-feira (13) reforçam essa percepção. Foram confirmadas mais 22 mortes, o que fez com que a média móvel dos últimos 7 dias ficasse em 21,4 por dia. O total de vidas perdidas para a doença chegou a 2.609.

Em relação aos casos novos, foram confirmados mais 1.095, com média de 998,7 por dia, nos últimos 7 dias. O total de infectados com o novo coronavírus em Mato Grosso do Sul atingiu os 146.143.

Resende apontou que esse quadro é resultado do que foi plantado pela população ao descumprir as medidas de prevenção determinadas pelas autoridades de saúde.

Demonstrou preocupação também com o aumento do número de internações por causa da doença. De terça para está quarta mais 49 pessoas foram hospitalizadas, elevando para 647 a quantidade de pacientes internados com Covid-19 no estado.

Dos hospitalizados, 298 estão em leitos de terapia intensiva (UTI). A taxa de ocupação de leitos públicos de UTI no estado é de 94%.

O secretário alertou que as pessoas estão procurando o sistema de saúde somente quando o quadro da doença já é grave e que esse atendimento tardio acaba refletindo no tratamento, por isso, voltou a defender a procura precoce.

“Estamos tendo muitos casos de pessoas que se internam em um dia, com quadro bastante adiantando e um dia depois ou poucos dias depois acabando indo a óbito”, lamentou.

Em contrapartida, o número de pessoas que se curaram da doença também aumentou. Atingiu nesta quarta 130.142, o que representa 89,05%.

MS está em estabilidade, mas em patamar alto de casos e mortes por Covid, diz secretário de Saúde | Mato Grosso do Sul | G1 (globo.com)

Comentários