Veja dicas para economizar nas compras de material escolar

Pesquisar em lojas diferentes e investir em livros usados são boas alternativas para economizar, de acordo com especialistas.

0
275
Toninho Tavares/Agência Brasília

O ano mal começou e, para os pais de crianças e jovens, já vem aquele gasto extra: o do material escolar. Em 2019, a expectativa é que a conta venha mais alta, já que os preços da categoria subiram, em média, 1,02% no acumulado do ano passado, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE).

Ainda de acordo com a mesma instituição, os livros didáticos tiveram alta de 0,5% nos preços em 2018, enquanto os não didáticos, como livros de literatura, subiram 0,46%.

“Esse aumento basicamente é um ajuste [de preços], porque está abaixo da inflação de 4,32%. Em valores nominais está mais caro, mas do ponto de vista da população, alguns itens podem estar mais baratos, mas é preciso pesquisar bastante”, informa Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV.

Para ajudar a economizar na hora de fazer as compras de materiais escolares, o G1 conversou com especialistas que reuniram algumas dicas. Elas foram elaboradas por Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV, Erica Cardoso, gerente de marketing da Estante Virtual, site de venda de livros usados e novos, e Igor Marchetti, advogado do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Confira:

No começo do ano, além dos gastos com a escola (matrícula, rematrícula, uniforme, transporte e etc.), a família tem que arcar com outras despesas como IPVA e IPTU, por exemplo. Segundo o coordenador Ricardo Teixeira, da FGV, é importante fazer um planejamento financeiro para saber o quanto se pode gastar sem que as outras contas sejam prejudicadas.

“O grande problema é que essas contas chegam todas ao mesmo tempo. Então, é preciso se preparar do ano anterior para o ano seguinte já pensando em tudo: IPVA, IPTU e escola, para que o impacto sobre os seus gastos totais não seja grande”, conta.

Igor Marchetti, advogado do Idec, complementa que antecipar as compras também é uma boa saída para não acumular as despesas.

“Antecipar a compra de material escolar é um passo fundamental para evitar preços mais altos e longas filas nas papelarias, tão comuns no período de volta às aulas. Quanto mais antecedência, maior será a economia de tempo e dinheiro”, disse.

Pesquise e compare preços

Como são muitas opções de lojas para realizar as compras, uma das sugestões do Igor Marchetti é fazer uma comparação de preços em lojas diferentes.

“Alguns produtos da lista podem ser bem caros, por isso é importante comparar o preço de marcas de lojas diferentes antes de fechar a compra. Comprar livros didáticos diretamente da editora ou adquiri-los de sebos podem ser opções para não gastar tanto”.

Avalie se vale a pena pagar à vista ou parcelado

Para os especialistas, pagar à vista tem a vantagem de não prolongar os gastos, mas é importante levar em consideração o orçamento planejado.

“Para saber se vale a pena pagar à vista ou parcelado, o consumidor deve constatar se há política de desconto na compra à vista. Outra medida possível é juntar pais e fazer uma compra coletiva, buscando assim adquirir produtos a preço de atacado, o que costuma baratear o preço também”, conta Igor Marchetti.

“Pagar à vista e com desconto é a melhor opção. Mas se não tiver o dinheiro, pague no crédito, mas sem juros”, complementa Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV.

Avalie os itens exigidos na lista da escola

A escola não pode, por exemplo, solicitar produtos de uso coletivo, como os de higiene, limpeza, copos e talheres descartáveis. Também não pode determinar a compra de marcas e lojas específicas. Outra proibição é pedir para adquirir o material na própria escola, o que configura venda casada.

De acordo com Marchetti, do Idec, é necessário analisar os itens de uso coletivo e, se perceber algo fora do comum, é possível denunciar.

“Caso perceba que há algum item proibido na lista de material, faça uma denúncia ao Procon”, disse Igor Marchetti, do Idec.

“Outra medida é a ação conjunta com pais questionando coletivamente a lista de material. Isso pode ser interessante para que os consumidores se protejam mutuamente em torno de uma causa comum”, explica.

Invista em itens usados ou troque

A troca e/ou compra de itens usados é outra alternativa para economizar, principalmente em relação aos livros paradidáticos, que são leitura obrigatória. Em alguns casos, comprá-los pela internet pode reduzir os gastos em até 50%, de acordo com o site Estante Virtual.

O livro “Dom Casmurro”, de Machado de Assis, por exemplo, pode ser encontrado por R$ 4. Para quem optar por livros seminovos, a gerente de marketing da Estante Virtual, Erica Cardoso, alerta que é preciso ficar atento para saber se o livro está em bom estado.

“Para quem for comprar online é importante ficar atento ao estado de conservação dos livros, que está na descrição do produto no site. Além disso, é preciso analisar na lista [de materiais] qual a edição específica que a escola exige”, explica Erica Cardoso, gerente de marketing do site Estante Virtual.

O professor Ricardo Teixeira observa que, em geral, os livros didáticos podem ser reaproveitados, e por isso, vale a pena se juntar com outros pais para fazerem uma troca.

Comentários